VISUALIZAÇÕES

18 janeiro 2016

Poema: "Sociedade", de Carlos Drummond de Andrade.

SOCIEDADE

O homem disse para o amigo:
— Breve irei a tua casa
e levarei minha mulher.

O amigo enfeitou a casa
e quando o homem chegou com a mulher,
soltou uma dúzia de foguetes.

O homem comeu e bebeu.
A mulher bebeu e cantou.
Os dois dançaram.
O amigo estava muito satisfeito.

Quando foi hora de sair,
o amigo disse para o homem:
— Breve irei a tua casa.
E apertou a mão dos dois.

No caminho o homem resmunga:
— Ora essa, era o que faltava.
E a mulher ajunta: — Que idiota.

— A casa é um ninho de pulgas.
— Reparaste o bife queimado?
O piano ruim e a comida pouca.


E todas as quintas-feiras
eles voltam à casa do amigo
que ainda não pôde retribuir a visita.


(Alguma poesia (1930), de Carlos Drummond de Andrade.)