VISUALIZAÇÕES

07 abril 2016

Poema: "Ar", de Carlos Drummond de Andrade.

AR

Nesta boca da noite,
cheira o tempo a alecrim.
Muito mais trescalava
o incorpóreo jardim.

Nesta cova da noite,
sabe o gesto a alfazema.
O que antes inebriava
era a rosa do poema.

Neste abismo da noite,
erra a sorte em lavanda.
Um perfume se amava,
colante, na varanda.

A narina presente
colhe o aroma passado.
Continuamente vibra
o tempo, embalsamado.

(A vida passada a limpo (1958), de Carlos Drummond de Andrade.)